domingo, 23 de junho de 2019

Arquivo de Fichas - Mutantes e Malfeitores 3ªed - Thor (Jane Foster)

Arquivo de Fichas – Mutantes e Malfeitores 3ªed
Thor [Jane Foster]
Ficha 3ªed 063


“Deve haver sempre um Thor!”

NP: 15

HABILIDADES
Força 0/15   Vitalidade    0/14  Agilidade 0/4 Destreza 0/4
Luta    2/10   Inteligência   3      Prontidão   2    Presença   3

PERÍCIAS
Acrobacia 4 (+8), Atletismo 2 (+17), Combate à distância 6 (+10), Combate corpo a corpo (Mjolnir) 3 (+13), Especialidade (Medicina) 9 (+12), Intimidação 4 (+7), Intuição 7 (+9), Percepção 4 (+6), Tratamento 8 (+11)

VANTAGEM
Ação em movimento, Ataque acurado, Ataque poderoso, Avaliação, Duro de matar, Interpor-se, Quebrar aprimorado, Sem medo, Tomar a iniciativa

PODER
Mjolnir (Falha: Facilmente Removível 49) 196 pontos
Fisiologia asgardiana: Força Ampliada 15; Vitalidade Ampliada 14; Luta 8; Agilidade 4; Destreza 4
Imunidade 44 (Envelhecimento, doenças, veneno, frio, calor, pressão, vácuo, radiação, efeitos de fadiga, descritor de poder/eletricidade, Efeitos resistidos por fortitude, sufocamento/atmosfera alienígena)
Poder de Carga 6 (Força +6)
Característica 1 (só pode ser erguido por alguém verdadeiramente honrado)
Vôo 10
Movimento 2 (Movimento dimensional 2 – mundos asgardianos)
Ambiente 10 (Calor e Frio; Extra: Seletivo – EA: Ambiente 10 (Vento – reduz movimento em 2 graus); EA: Ambiente 10 (Chuva; Extra: Seletivo)
Relâmpago: Dano 12 (descritor elétrico; Extra: Distância aumentada/à distância, Multiataque; Falha: Ativação (movimento))
Arremesso: Dano 10 (Extra: Distância aumentada/à distância, Teleguiado, Característica/Retorno)
Dano 2 (baseado em força)
Deflexão 10

OFENSIVO
Iniciativa + 4
Desarmado +10 – Corpo a corpo, Dano 15
Golpe/Mjolnir +13 – Corpo a Corpo, Dano 17
Arremesso/Mjolnir +10 – À distância, Dano 10
Relâmpago +10 – À distância, Dano 12

DEFENSIVO
Esquiva       +3/+7     Fortitude      +0/+14
Aparar        +4/+12   Resistência   +0/+14
Vontade      +8          

TOTAIS
Habilidades 20 + Perícias 22 (44 graduações) + Vantagens 9 + Poderes 196 + Defensivo 11 = 258

COMPLICAÇÕES
Deficiência: Jane Foster luta contra o câncer. Ao usar o Mjolnir ela freia os efeitos da doença, mas ao usá-lo também faz a doença avançar mais rápido.
Inimigo: Loki, Surtur, Hela, Serpente Midgard e qualquer inimigo que Thor tivesse, além de Odin.
Perda de Poder: Ao deixar Mjolnir por longo tempo ela perde todos os poderes. Ela pode voltar ao normal quando desejar.
Responsabilidade: Protetor de Asgard e Midgard
Relacionamento: Sam Wilson (Falcão)
Identidade secreta: poucos sabem que ela é Jane Foster.

Ficha em PDF (2 versões)

    




Criaturas para Starfinder [série Terminator]: T-1 Ground AAV e T-2 Aerial AAV

Criaturas para Starfinder
T-1 Ground Assault Autonomous Vehicle


Combatente - CR 3 - XP 800
Constructo grande - neutro
Inic +3; Sentidos: visão no escuro 18m, visão na penumbra 18m; Percepção +8

Defesa                                                    HP 60
CAE: 14; CAC: 16
Fort: +4; Ref: +4; Vontade: +1
Imunidades: constructo, não vivo

Ofensivo
Velocidade: 9m
À distância: 2 Miniguns +11 (1d6+3 Pf)
Espaço: 3m, Alcance: 3m
Habilidades Ofensivas: Atropelar 1d6+7

Estatisticas
For + 4; Des +3; Con -; Int +0; Sab +0 ; Car +0
Perícias: Atletismo +13
Outras habilidades: Batedor
Idiomas: nenhum

Ecologia
Ambiente: Qualquer
Organização: Solitários, Patrulha (1d4+1), Esquadrão (1d6+3)

Habilidades especiais
Batedor (Ex): O T-1 GAAV desloca-se em caminhos complicados, permitindo ignorar totalmente o terreno difícil.

Atropelar (Ex): Como uma ação de rodada completa, a unidade pode mover até o dobro de sua velocidade e, literalmente, atropelar qualquer oponente, pelo menos, uma categoria de tamanho menor do que ele mesmo. O T-1 GAAV apenas tem que se mover sobre os adversários em seu caminho. A criatura não precisa fazer um teste de ataque; cada criatura cujo espaço ela atravessa recebe dano. Um alvo de um atropelar pode fazer um salvamento de Ref (CD 12) por metade do dano. Se tentar o salvamento, ele não poderá fazer um ataque de oportunidade contra o atropelamento T-1 GAAV devido ao movimento da criatura. O T-1 GAAV pode causar dano de atropelar a um determinado alvo apenas uma vez por rodada.


O protótipo original para os vários tanques Hunter Killer, este foi originalmente criado e vendido para o exército dos EUA para ser usado como uma unidade semi-autônoma. Ele foi projetado para ser enviado à frente de unidades de infantaria em território hostil, pois também poderia entrar na maioria dos edifícios regulares.

Depois que a Skynet iniciou sua guerra para exterminar a humanidade, ela usou o modelo básico da T-1 para criar facilmente mais da unidade, incorporando uma IA primitiva totalmente autônoma, que permitia que ela fosse implementada com instruções simples, o que faria seu melhor para realizar - ou até que a unidade seja destruída.

Fisicamente, a unidade tem aproximadamente 1,8m de altura e quase 2,5m de comprimento. Ele pesa mais de 220 kg. Ele se move sobre esteiras, dando-lhe excelente mobilidade em terrenos acidentados, e está armado com um par de miniguns Gatling com vários canos. A unidade carrega 5000 cartuchos de munição, que são armazenados dentro de seu torso em latas especiais, que são endurecidas contra danos, a fim de evitar um aquecimento que destruiria a unidade.

Como afirmado, a unidade tem uma IA primitiva, dando-lhe a capacidade de tomar decisões no campo de batalha sem precisar entrar em contato com a Skynet. Contanto que tenha um parâmetro básico de missão, ele irá trabalhar diligentemente e com o melhor de sua capacidade.

Graças à facilidade com que a Skynet constrói essas unidades, elas ainda são construídas e enviadas ao campo de batalha. Os mesmos recursos necessários para criar um único tanque, ou mesmo um punhado de Terminadores, podem construir múltiplos GAAVs T-1.


Criaturas para Starfinder
T-2 Aerial Autonomous Assault Vehicle


Combatente - CR 1 - XP 400
Constructo médio - neutro
Inic +5; Sentidos: visão no escuro 18m, visão na penumbra 18m; Percepção +5

Defesa                                                    HP 20
CAE: 13; CAC: 15
Fort: +1; Ref: +1; Vontade: +0
Imunidades: constructo, não vivo

Ofensivo
Velocidade: 18m (voando)
À distância: Canhão automático +8 (1d6+1 Pf)
Espaço: 1,5m, Alcance: 1,5m
Habilidades Ofensivas: Mísseis, Fogo sustentado

Estatisticas
For + 1; Des +5; Con -; Int +0; Sab +0 ; Car +0
Perícias: Acrobacia +10
Talento: Tiro em Movimento
Outras habilidades: Pairar
Idiomas: nenhum

Ecologia
Ambiente: Qualquer
Organização: Solitários, Patrulha (1d4+1), Esquadrão (1d6+3), Formação (2d8+6)

Habilidades especiais
Pairar (Ex): Embora a unidade esteja totalmente no ar, ela é capaz de mover tanto ou tão pouco quanto desejar, e pode até pairar sem se mover e ainda usar sua torre ou mísseis.

Mísseis (Ex): O T-2 AAAV vem equipado com uma série de 6 mísseis pequenos. Estas armas não são inteligentes e têm um alcance máximo de 300m. O T-2 AAAV simplesmente escolhe um alvo e dispara o míssil. Ao alvo é permitido um salvamento de Ref (CD 10) e, se for bem-sucedida, o alvo recebe metade do dano. O míssil causa 1d8+1 Fg de dano e tem um raio de 6m. Cada unidade vem equipada com 6 desses mísseis nas asas.

Fogo Sustentado (Ex): Toda vez que a unidade ataca o mesmo alvo em várias rodadas, ela ganha +1 para atingir à cada rodada, até um máximo de +3 para acertar depois de quatro rodadas contínuas. Se a unidade não disparar no mesmo alvo, ou mudar de alvo, quaisquer bônus serão perdidos.


Baseado na série de drones 'Predator' dos militares, o T-2 é o pai do Dragon e de outras unidades Hunter Killer semelhantes. Ao contrário dos projetos originais, esses novos drones AAAV são equipados com jet pods, dando a eles excelente velocidade e suprema manobrabilidade no campo de batalha, e diferentemente dos drones de primeira geração, essas unidades são capazes de pairar e se mover em qualquer direção que desejar. .

Equipada com um pequeno canhão automático, a unidade pode facilmente derrubar numerosos combatentes inimigos, e cada um vem equipado com foguetes “atire e esqueça”, que podem ser usados ​​contra exércitos e fortificações inimigas, embora as unidades sejam equipadas apenas com seis deles por vez.

Estas unidades foram construídas para serem usadas como fogo primário e cobertura de unidades terrestres, e para poder atacar e eliminar forças inimigas escondidas.

A única grande desvantagem quando se trata dessas unidades é que elas não são duráveis, o fogo inimigo contínuo pode derrubar as unidades com bastante facilidade, de modo que as unidades precisam confiar em táticas básicas quando empregadas no campo de batalha.

O T-2 AAAV é controlado por uma unidade de inteligência artificial primitiva, que pode ser programada com instruções simples e regras de combate no campo de batalha, embora também possa ser controlada remotamente por um manipulador ou piloto.

[Criação de Chris Van Deelen. Autorizada tradução e postagem]


sábado, 22 de junho de 2019

Resenha: Starfinder Trilha de Aventuras Sóis Mortos - Templo dos Doze

Resenha
Starfinder Trilha de Aventuras
Sóis Mortos – Templo dos Doze


Aproveitando que a editora New Order liberou o segundo volume da Starfinder Trilha de Aventuras Sóis Mortos para os apoiadores do financiamento coletivo, trouxe sua resenha aproveitando que todos estão com esse material novinho em mãos.

Para quem não sabe do que se tratam as Trilhas de Aventuras (ou Adventure Paths na versão original em inglês) eu recomendo uma lida cuidadosa no artigo em que os dissecamos (Starfinder AdventurePath: o que foi lançado e as novidades). De uma forma rápida, as trilhas de aventuras são grandes aventuras divididas em partes (três ou seis) e lançadas mensalmente pela Paizo formando uma grande campanha. Mas não só isso, essas trilhas de aventuras são uma estratégia inteligente da Paizo de manter lançamentos regulares de material oficial e canônico, sempre enriquecendo o cenário com informações e debates importantes em artigos especiais que complementam essas aventuras.

Mantendo essa lógica, abraçada pela editora New Order que já prometeu nos trazer tudo o que foi lançado para Starfinder lá fora, estamos com o segundo volume (de um total de seis) da Trilha de Aventuras Sóis Mortos em mãos - Templo dos Doze. Como no primeiro review quero deixar claro que não pretendo dar qualquer spoiler sobre a aventura em si para não estragar a diversão dos futuros aventureiros. Vou me centrar em aspectos genéricos da aventura, então leia com tranquilidade.

Redbox se funde à Bureau de Juegos


Redbox se funde à Bureau de Juegos

Nesta sexta-feira fomos tomados de surpresa por um comunicado oficial da editora Redbox. Fazia algum tempo que as coisas estavam meio que silenciosas por lá, depois de seus últimos estrondosos lançamentos, algo normal. Mas esse silêncio não era ressaca, mas sim a preparação para novas surpresas. E a surpresa veio com o anúncio de que a tão querida Redbox está se fundindo com a argentina Bureau de Juegos. Ao invés de contar aqui, vamos deixá-los com o anúncio oficial que está muito bem explicado!


Olá a todos,

Como todos devem saber, os últimos meses foram de imenso desafio para todos na Redbox. Mudanças profundas no mercado brasileiro, na economia do nosso país e dificuldades em âmbito pessoal afetaram como nunca a Redbox, e de uma forma mais intensa do que pensamos.
Estas dificuldades enfrentadas fizeram com que tivéssemos de dedicar boa parte de nosso tempo a solucionar todo o tipo de problemas, saltando de urgência ante urgência, limando de todos nós o que mais gostamos de fazer: criar jogos.

Entretanto, como o dito popular “o que não mata te faz mais forte” bem preconiza, aproveitamos este tempo para pensar. Pensar não só em como resolver nossos problemas, mas também como usar esta oportunidade para crescer e se fazer mais forte.

Nos alegra muito poder contar que hoje, a Redbox Editora, está se fundindo com a Bureau de Juegos, criando uma nova empresa. Uma empresa que mantenha o espírito das duas empresas originais, mas com os olhos voltados também para o mundo.

A partir de hoje, a Redbox passa também a responder como Bureau de Jogos Brasil, parte do grupo Bureau de Juegos em todo o mundo.

Para os que não a conhecem, trago algumas informações da empresa:

- Bureau de Juegos é uma empresa argentina especializada em RPG e Boardgames.

- Trabalham em conjunto com grandes empresas como Iello, Matagot, Amigo, Steve Jackson dentre outras.

- Publicaram (ou estão a caminho de publicar) jogos como King of Tokio, Munchkin, Bunny Kingdom, Takenoko, Captain SONAR dentre tantos outros Board Games Clássicos.

- No que se refere ao RPG, são os representantes na Argentina da NoSoloRol, a editora número 1 de RPG em espanhol em todo o mundo, além de serem distribuidores e oficiais da Chessex e Q-workshop.

Como se estas credenciais já não fossem suficientes, temos uma relação de amizade já de alguns anos. A Bureau dos Juegos foi a primeira empresa a licenciar o Tsukiji para lançamento fora do Brasil, antes mesmo do resto do mundo, e atuamos em constante sinergia buscando licenças de forma conjunta, viajando juntos para eventos e feiras de negócios, e nos ajudando sempre que um ou outro precise de ajuda.
Com isso chegamos ao mais importante: e agora?

Nossa primeira ação, que já se encontra em andamento, é solucionar e entrega de absolutamente TODAS as pendências que temos: Ancient Terrible Things, Space Dragon, Shotgun Diaries, Legião e Senhores da Guerra Vikings.

Nos alegra dizer que, neste contexto, nas últimas semanas já conseguimos avançar com todas as pendências. Assim, afirmamos que todos os Financiamentos Coletivos e Pré-vendas serão resolvidos nos próximos 30 a 60 dias.

Na próxima semana, com todos os cronogramas finais de produção/importação em mãos, comunicaremos as datas estimadas de todos os produtos pendentes, explicando caso a caso cada um dos prazos, situações e posições, inaugurando uma nova forma de comunicar as nossas pendências.

Assim que todos os projetos pendentes estejam devidamente concluídos (visto que nosso foco TOTAL nesse momento é resolver estes projetos atrasados), anunciaremos nossos planos para o restante de 2019, incluindo os novos lançamentos.

Para encerrar, gostaria de agradecer pessoalmente a todos pela paciência e pela compreensão. Para nós, foi sempre muito difícil guardar todas estas notícias nos últimos meses, mas foi de extrema importância para que isso se convertesse em realidade.

Nosso objetivo principal é poder voltar a dedicar nossos esforços totais na criação de jogos e RPGS, e isso não seria o mesmo sem poder compartilhar com a nossa comunidade.

Deixo um abraço grande e deixo todos os canais abertos para responder a qualquer comentário.

Abraços a todos,
Antonio Pop.


É um passo importante que Redbox dá e temos certeza que para muito melhor. Fazendo parte de seus fãs incondicionais, estamos torcendo para um amplo sucesso e continuaremos seguindo a editora e consumindo seus produtos! Sorte para vocês!!

sexta-feira, 21 de junho de 2019

Mapa de Pathfinder segunda edição em português exclusivo na Confraria


Mapa de Pathfinder segunda edição
em português exclusivo na Confraria

Parem tudo!!! Temos para apresentar para vocês, com exclusividade, o mapa de Golarion que estará na edição em português de Pathfinder segunda edição, que será lançado pela editora New Order aqui no Brasil no dia 1º de agosto, simultaneamente à edição americana.


Quem acompanha a Confraria e nossas postagens trazendo o material da Paizo ilustrando Lost Omens World Guide e suas regiões pode se perguntar sobre o mundo como um todo. Uma parte significativa desse mundo é Golarion, que é composto geograficamente por regiões contíguas e ligadas tematicamente, todas dispostas ao redor do Mar Interior (Inner Sea). O que as une vai desde acontecimentos históricos, elementos geográficos, catástrofes e outras tantas coisas. O importante é que tudo isso acaba gerando uma diferenciação que se traduz em 10 meta-regiões (termo utilizado pela Paizo), cada uma composta por várias regiões próprias.

O Pathfinder 2E trará todo esse conjunto de dezenas regiões distribuídas nessas dez meta-regiões com uma atualização história, colocando todos eles no ano 4719 AR. Isso leva em conta as mudanças, grandes cataclismos, guerras, escaramuças, aventuras impressionantes, quedas e ascensão de deuses, toda uma atualização do status quo está presente.

Vamos olhar rapidamente algumas dessas meta-regiões já divulgadas pela Paizo (elas possuem links para artigos mais amplos lançados pela Paizo e traduzidos pela Confraria ao longo das últimas semanas):

Absalon e a Ilha de Kortos: o coração do cenário e o ponto de partida da maioria das aventuras, é o lar das principais organizações daquele mundo e possui a maior de suas cidades – Absalon. (LINK)

Rota Dourada: região desértica ao sul do mar interior, seguindo toda costa norte de Garund. Ela abrange as regiões de Katapesh, Osirion, Qadira, Rahadoum e Thuvia. Pirâmides, areias e relíquias perigosas é o que encontraremos aqui! (LINK)

Olho do Pavor: centro dos acontecimentos que culminaram com ascensão do Tirano Sussurrante, é uma região sombria e que exala morte. Lichs, uma nação hobgoblin e magia proibida fazem dessa região o lugar perfeito para encontrar a ruína ou a morte. (LINK)

Terras Partidas: para uma região que é particularmente marcada por convulsões políticas, guerras e invasões demoníacas receber o termo ‘partida’ é mais que apropriado. (LINK)


As outras regiões existentes são Cheliax Antiga, Altos Mares, Reinos Resplandecente, Terras das Sagas, Vastidão Mwang e Terras Impossíveis. Ainda não temos informações sobre elas, pois a Paizo as está disponibilizando pouco à pouco semanalmente, mas continuaremos trazendo esse material traduzido na Confraria.

quinta-feira, 20 de junho de 2019

Disney & Dragons - Ariel, Mulan, Merida e Tarzan

Disney & Dragons
Ariel, Mulan, Merida e Tarzan

A ABD-Ilustrates apresentou mais algumas de suas artes convertendo personagens da Disney como classes de D&D 5E no projeto Disney & Dragons. Eu já havia apresentado anteriormente, apenas na página do Facebook da Confraria. Agora trago as novas quatro artes: Ariel barda, Mulan guerreira, Merida ranger e Tarzan bárbaro. Veja o vídeo com a produção das artes e delicie-se com as imagens.





Pathfinder Segunda edição - Contos dos Presságios Perdidos: Tudo que Brilha


Pathfinder Segunda Edição
Contos dos Presságios Perdidos: Tudo que Brilha

Invisível e silencioso como um peido de igreja, Twilp Farfan deslizou através da multidão esparsa do meio-dia do Bazar Malhitu de Sothis. Esquivar em plena luz do dia sempre assustava o halfling, mas se ele não levantasse muita poeira ou batesse em alguém, sua passagem seria despercebida. Sothans tendiam a fechar a loja e cochilar no calor escaldante do dia, então não havia muitas pessoas por perto.

Tudo de bom para mim. Ele parou à sombra de um toldo e enxugou o rosto. Tudo, exceto o calor.

Twilp estudou as cópulas da cúpula azul do outro lado da praça e encontrou o prédio certo. Dois guardas fortes estavam ao lado da porta de contas do Empório de Antiguidades de Kepeshka. O suor brilhava em sua pele de ébano, suas pálpebras cederam, mas cada um descansou a mão em um khopesh em seu cinto.

Ninguém confia em ninguém hoje em dia. Claro, isso incluía Twilp. Ele não se importava com quem ele roubava, desde que o ouro fosse amarelo. Em Sothis, o ouro era tudo o que importava e, após a queda das pirâmides, havia um excesso de antiguidades caras no mercado, prontas para a colheita. O olhar do halfling subiu para o imponente Domo Negro de Sothis e para a pirâmide recém-caída. No instante em que bateu no chão, ladrões de túmulos invadiram como formigas sobre um elefante caído. A própria bugiganga que ele estava sendo pago para roubar vinha daquela monstruosidade megalítica. Twilp não sabia o que era tão importante nessa bugiganga em particular; um punhal era um punhal até onde ele estava preocupado. Mas ouro...