quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Dica do mestre: Hero Kids é um RPG verdadeiramente para crianças


Hero Kids, um RPG
verdadeiramente para crianças

Em todos os encontros de RPG, sejam nacionais ou reuniões locais, um dos temas recorrentes é em qual idade e como introduzir o RPG. È bem verdade que possuímos sistemas simplificados para introduzir novatos tal como 3d&T, aventuras solo e mesmo o saudoso RPGQuest. Mas e se a intenção for introduzir o RPG para crianças? É inegável todas as vantagens que a prática do RPG traria para crianças tanto em seu desenvolvimento cognitivo quanto na ampliação de sua criatividade, além do comum estímulo à leitura. Então pergunto novamente, como introduzir o RPG para crianças?


Parece que a questão foi respondida em 2012 pelo australiano Justin Halliday criando o Hero Kids, para a Hero Foge Games (pequena empresa pertencente ao próprio autor). Apenas para mostrar primeiramente a credencial deste RPG, ele tirou a medalha de prata na categoria Best Family Game no ENnies 2013 perdendo apenas para o  “Doctor Who: Adventure in Time and Space – 11th Doctor Editon”, da Cubicle 7.

Justin é um designer de videogames que jogava a 4ª edição de D&D até que resolveu criar seu próprio jogo de RPG para sanar alguns problemas que ele via na dinâmica daquela edição de D&D. Assim surgiu “Heroes Against Darkness”. Ele conta em uma entrevista que quando terminou seu jogo sua filha mostrava interesse pelo que ele estava fazendo e ele decidiu começar o RPG com ela, mas todos os sistemas ou eram muito simples ou muito complexos. Assim ele se decidiu por um novo projeto – um RPG para crianças. Esse era o nascimento de Hero Kids.


Hero Kids é um RPG para crianças de 4 a 10 anos que apresenta de uma forma simples e prática os principais fundamentos do hobby. Como Justin mesmo diz na introdução do livro básico, “RPGs são o único e o melhor caminho para ensinar nossas crianças um grande número de perícias, tais como: matemática, probabilidade, noção de tempo, resolução de problemas, desenvolvimento da imaginação, atuação e história.”

Outro grande diferencial do sistema é que as crianças irão jogar com personagens crianças também, onde as aventuras são condizentes com seu imaginário no melhor estilo “As Crônicas de Spiderwick”. Os personagens possuem, ao invés de atributos básicos, níveis de ação básicos. Na ficha há espaços para “Ataque com espada”, “Ataque com arco”, “Magia”, “Defesa” e “Pontos de Vida”. Conforme o seu personagem, divididos entre guerreiro, caçador, sacerdote ou mago, um dos três primeiros campos mostra (apenas) quantos dados o personagem usa na ação. Veja o exemplo abaixo!


Os elementos básicos são ensinados de forma fácil e prática – movimento, iniciativa, ataque, defesa, round e turnos, tudo fica entendido em poucas palavras. Os testes de dados – o jogo usa d6 – também tem uma resolução simples onde o maior valor vence, onde a noção de probabilidade é trabalhada na criança jogando entre os elementos “valor do dado” e “quantidade de dados”.

Habilidades também estão presentes e igualmente são trabalhadas de forma fácil para as crianças. Os elementos “espada”, “arco” e “magia” que constam na ficha funcionam como os atributos que são somados ao d6 (com ou sem a utilização de algum equipamento). Isso já trás a noção (ainda que eles nem percebam isso) de classe, já que ações física são mais facilmente realizadas por que tem a espada, ações de equilíbrio são mais facilmente realizadas por quem tem o arco, e ações intelectuais são mais facilmente realizadas por quem tem a magia.



O manual básico, embora com uma linguagem fácil para crianças, é na verdade um manual para os pais. Um verdadeiro roteiro de como usar o RPG com a criança. Na parte final existe um apêndice com dicas de como lidar com violência, moral, valores etc.

Como é normal para crianças dessa faixa etária o elemento visual é muito importante, por isso o jogo todo é usado juntamente com miniaturas e tabuleiro (aquele modelo de mesa simples que todo o rpgísta já está cansado de conhecer). Todas as peças e mapas da primeira aventura são fornecidos dentro do próprio livro básico. Aventuras separadas vêm com suas peças e mapas também. No Básico existem dez personagens com seus tipos variados, para as crianças perceberem as diferenças entre tipos de personagens, desde os mais extremos para força ou magia, até os balanceados. Todos os animais também possuem suas fichas nos mesmos moldes das dos personagens.

O sistema todo é apresentado em quase quarenta páginas com uma produção, que embora em preto e branco, é muito bem feita. As imagens chamam a atenção das crianças pela simplicidade, mas com qualidade.


O jogo pode ser adquirido em pdf ou impresso (em preto e branco ou colorido) por um valor entre $ 5 e $12 dólares - AQUI. Além do básico já exixte um grande número de aventuras prontas.






9 comentários:

Dobradinha Comics disse...

Será que alguém me julgaria de maneira errada se eu dissesse que fiquei com muita vontade de jogar esse jogo?

João Brasil disse...

HAHAHAHAHAHA.... claro que não ...RPG é RPG, não importa o nível ou dificuldade!!!!

Hebert Junior disse...

Cadé uma editora brasileira da nova geração pra trazer esse material em portugues pra gente? Seria uma boa!!! Tenho filho e fiquei com muita vontade de mestrar hero kids pra ele!!!

Petrus Heligan disse...

Ótima matéria sobre um material que pode fornecer grandes idéias para os game designers do Brasil, quem sabe ? Sobre rpg para crianças, Herbert, temos o Kids and Dragons, traduzido pela fly ape e em breve deve vir mais coisas por ai...

João Brasil disse...

Que bom que todos estão gostando...realmente é um tema muito importante....

Minha intenção quando comecei a escrever a matéria era, além de apresentar para todos esse ótimo material, ver se a alguma editora se aventurasse em lançá-lo por aqui...

Quanto ao Kids and Dragons, Petrus, se conseguir algum material posso divulgar por aqui!!!!

Gilson Rocha disse...

Bacana para crianças perto dos dez anos, para as mais novas faço reflexões. Há questões de 'atacar', 'armas'. Há 'morte'?

Comecei a jogar com minha sobrinha quando ela tinha 5 anos, fará 8 em abril. Usamos d6 assim e vamos criando as histórias, pode acontecer tudo, qualquer coisa mesmo. Com 3, 4, 5 e 6 consegue. Com 1 e 2 não consegue.

Gilson

João Brasil disse...

Gilson, entendo tua preocupação e concordo com ela... o ideal é que o tema seja condizente com o amadurecimento de cada criança e essa avaliação deve ser feita com o adulto/mestre

Em muitos casos pode-se fazer jogos criativos onde ao invés de 'mortes' pode´se simplesmente desligar os robôs inimigos ou prender os adversários !!!

Gilson Rocha disse...

Isso, João. Quando faço apresentação de trabalho científico nos eventos acadêmicos, algumas professoras interessadas no RPG na educação (não foi a linha de minha dissertação) perguntam se serve para crianças. Eu conto a história de dinossauros com crianças de seis anos (livro Anais do Iº Simpósio RPG e Educação), e que é melhor para adolescentes o material que entrego está em www.rpgsimples.blogspot.com)

Gilson

Anônimo disse...

Quem quiser uma tradução caseira:
http://aventurasinacabadas.blogspot.com/