segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Eventos de RPG: precisamos de uma nova postura

Eventos de RPG
- Precisamos de uma nova postura -

Muito tenho visto rpgístas debaterem sobre eventos de RPG por todo o Brasil e sobre sua relevância no cenário nacional. Depois do cancelamento o EIRPG alguns anos atrás e de uma verdadeira 'comoção' tivemos uma enxurrada de pequenos eventos por todo o lugar nos últimos anos.

Vamos analisar esse tema por vários pontos e vamos começar sobre o por quê de ter,os um evento como o EIRPG fracassando no ano passado. Não sei dizer se é cultural ou qual a natureza dessa característica, mas eventos como o EIRPG são muito limitados e pouco atrativos. Deixem-me explicar. A maioria dos nossos ‘grandes” eventos de RPG, das mais variadas naturezas e temas, não passam de uma reunião sem grandes ambições além de juntar fãs. Como assim? Nossos grandes eventos de RPG, pelo menos até aquele momento, eram locais para reunir fãs e jogadores e colocá-los todos juntos em um mesmo ambiente para jogar e gastar. Claro que tínhamos enxurradas de mesas para jogos dos mais variados tipos e sistemas, mas no final se resumia à mesas para propagandear sistemas e estandes de vendas.


Isso pode funcionar por algum tempo, pois é claro que o público de RPG e cardgames está sempre procurando uma mesa para aprender um sistema novo e novidades para gastar. Mas achar que um evento de RPG se resume à isso é presumir que os jogadores e suas expectativas são limitadas. Algumas vezes temos algum diferencial como a presença de algum ícone do RPG ou da literatura de fantasia, mas ainda assim a sua presença se limita à uma entrevista para o grande público e autógrafos de suas obras.

Mas o evento que desejamos (ou que eu desejo) seria apenas isso?

Depois do cancelamento daquela edição do EIRPG tivemos uma comoção dos fãs por todo o Brasil e a reação foi imediata com o anúncio de dezenas de pequenos e médios eventos criando uma movimentação nunca vista na comunidade rpgística brasileira, com efeitos perceptíveis até os dias de hoje. Mas qual a característica dessa onda. Esses eventos podem ser categorizados como 'encontros'. Jogadores e mestres de variados sistemas se juntam para realizar jogos e ensinar novos sistemas. Isso é ruim? Claro que não. A disseminação de novos sistemas e a inclusão de novos jogadores dão um fôlego importantíssimo para nosso amado hobby. Mas se pensarmos bem esses 'encontros' acabam sendo reproduções menores do que já acontecia nos grandes eventos. E digo que esse sistema, para esses 'encontros' pequenos e médios, é perfeito. Eles justamente se prestam para isso, ampliando o número de jogadores de um bairro, zona ou cidade e reforçando a integração da comunidade rpgística local.

O que esperamos, ou espero, de um evento nacional então? Um evento que se diga nacional tem que principalmente sair da mesmice, não que a mesmice seja ruim já que ela se presta para os eventos em forma de 'encontros', como já disse. Mas principalmente ele deve valer à pena por proporcionar coisas novas para os rpgístas. É claro que devem continuar com as mesas de jogos, os estandes de vendas e as 'personalidades' sorrindo e tirando fotos, mas precisamos de um diferencial que é extremamente necessário para os rpgístas – precisamos amadurecer e especializar nossos membros.

Você deve estar se perguntando, como assim? Darei um exemplo extremo, sei disso (antes que me acusem), mas que pode servir de parâmetro como exemplo de postura desses eventos. Em eventos como a GenCon, New York Comic Con ou mesmo o encontro internacional de boardgames e miniaturas temos sim espaços para os fãs confraternizarem, trocarem experiências, encontrarem seus ídolos e gastarem seu dinheiro. Mas mais do que isso, temos muitos espaços para eles aprenderem e se especializarem.

Em uma edição da San Diego Comic Con, por exemplo, boa parte do cronograma é composto por palestras e cursos com a mais variada natureza de temas, sempre visando aperfeiçoar aqueles que praticam determinado hobby e que possam, quem sabe o futuro, tornarem-se produtores. Nesta última edição da SDCC tivemos cursos tais como formas de usar trilhas sonoras apropriadas para seriados de terror e suspense, como trabalhar roteiros de quadrinhos ou mesmo como produzir seu próprio livro de ficção. Minha visão de evento de RPG seria baseado em uma estrutura como essa. Teríamos as mesas, a confraternização, os estandes, e os famosos e pseudo-famosos circulando, mas teríamos também uma seleção de painéis, debates, cursos e oficinas próprias para que não só especializássemos nossos mestres e jogadores, mas também que possibilitássemos que novos criadores de RPGs surgissem.

Não é novidade para ninguém que felizmente o Brasil tem tido uma efervescência de novidades de RPGs, boardgames, cardgames e literatura. Todos os dias temos tido notícias de novos financiamentos coletivos começando e sendo bem sucedidos. Imaginem se tivéssemos um melhor preparo de novos talentos, ou mesmo uma forma de mostrar que uma boa idéia pode vir a se tornar uma realidade em uma prateleira ou livraria?


Os eventos de RPG centram um público muito variado e que daria vazão para uma enorme programação. Nesses eventos temos tanto jogadores de RPG em si, quanto adeptos dos cardgames e dos boardgames, da literatura de ficção à fantasia, de games eletrônicos e muito mais, quando todos esses gostos não estão encerrados na mesma pessoa. Seria extremamente proveitoso que se pudéssemos ter em eventos oficinas de produção de jogos, designe de boardgames, mecânicas de sistemas, produção literária etc.

Acredito que se conseguíssemos implementar, mesmo que vagarosamente, essa nova concepção para um verdadeiro grande evento de RPG (e afins) iríamos perceber as mudanças tanto no amadurecimento crítico de nossos jogadores e mestre, numa evolução da qualidade dos jogos das mais variadas naturezas e principalmente numa grande variedade de novos títulos.

Iríamos ter nossos eventos ainda com suas inúmeras mesas, muitos estandes e barraquinhas vendendo de tudo, teríamos ainda nossos famosos e pseudo-famosos circulando, mas principalmente, estaríamos fazendo a diferença. Melhor do que termos ícones das mais variadas mídias e sistemas em um evento, seria ver esses ícones trabalhando lado à lado e dividindo suas experiências de forma prática com todos os fãs dispostos a prender. E à longo prazo esse sistema começaria a ser reproduzido em nossos ‘encontros’ menores e locais, trabalhando e produzindo com nossos membros.

É impossível? Não. Mas como disse no início, parece ser uma forma cultural de encarar como os eventos devem ser. Acredito que isso mudará? Com certeza, mas depende da iniciativa de nossos jogadores, membros e gamers de todos os tipos. Novos eventos de porte como Comic Con Experience e a Brasil Comic Con, a volta do EIRPG, e a continuidade do World RPG Fest, são locais propícios e fundamentais para essas mudanças. E não só ali. Eventos menores podem criar ou reproduzir esse sistema com membros da própria comunidade.

Não pretendo dar aqui fórmulas matemáticas de como financiar isso em grandes eventos até por que não é essa a proposta, mas sabemos que temos sempre grandes editoras e lojas envolvidas com esses grandes eventos e que subsídios, mesmo que parciais, não são novidade pelo mundo à fora. Além disso, a cobrança de algum tipo de taxa é corriqueiro e não pode ser mais considerado como um absurdo (visto que em horas foram vendidos todos os ingressos apenas para a palestra na CCEx de um determinado músico mundial que escreveu uma obra literária). Eventos pequenos podem ainda mais facilmente propiciar esses ‘cursos’ já que membros da comunidade local são ainda mais facilmente cooptados para esse tipo de atividade.

Para encerrar... sei que alguns eventos, aqui e ali, já possibilitam alguns cursos, mas ainda não é com a visão empreendedora para que nosso hoby cresça e se fortaleça ainda mais. Quero uma mudança de postura. Quero uma visão mais ampla e de longo prazo. Quero que além de nos divertirmos, que possamos ver em práticas de RPG, cardgame e boardgmaes, uma oportunidade para que possamos colocar em prática nossos projetos e criatividade.


6 comentários:

Brega Presley disse...

Antes de tudo: Excelente escolha de tema.

Quanto ao que foi escrito, acho que concordo, o problema é que operacionalizar isso, ao menos em termos de eventos menores não é uma tarefa simples.

O público nestes eventos ("encontros" - concordo com a nomenclatura proposta) é variável. Tem gente que chega e sai cedo, chega e sai tarde , que fica muito, fica pouco, experimenta coisas novas ou vai jogar a mesma mesa de sempre, etc.

A vantagem dos encontros existem no entanto: Mais pessoas se conhecem e fortalecem os vínculos de uma rede de jogadores e mestres, mais material pode ser feito "sob medida" e com isso mais coisas podem ser apresentadas, e é mais fácil criar ou reforçar o hábito de jogos.

No entanto, palestras e oficinas são coisas que em encontros menores apresentam maiores dificuldades práticas.

Mas concordo que em eventos maiores seriam uma excelente ideia se tivessem mais oficinas como as que sugeriu e outras.

Abração

João Brasil disse...

Presley, acho que encontros menores podem fazer isso sim em escala menor... Lógico que não imagino uma pessoa de renome realizando uma oficina em um encontro pequeno, mas muitas vezes temos pessoas dentro do próprio micro-universo de uma cidade ou bairro que poderia realizar algo mais sistemático e didático para os grupo mesmo que de conhecidos... Isso seria uma escala muito menor, mas que poderia propiciar muitas vantagens e crescimentos para os jogadores e mestres...

Em eventos de cidades não seria difícil que livrarias, editoras e lojas colocassem até mesmo pessoas ligadas à esses locais para ministrar tais cursos. Sei do perigo da auto-promoção de materiais vendidos por eles, mas já será um começo!!!

Cristóvão Wollieson disse...

Então organiza um evento deste nível, uma vez que disse que conhece a respeito do assunto.

Ai já ganha duas coisas, um evento maduro de rpg no Brasil e seu nome na categoria que mudou a forma como o mesmo era tratado além de uma carreira extra que trás lucros.

Conversa com as pessoas que possuem conhecimento das mais diversas áreas, defina no máximo um dia colocando o ciclo de palestras e treinamentos de forma que nem todos possam aproveitar ao máximo tudo (tendo que escolherem), desta forma terá um feedback inicial da aceitação do evento, para possível ampliação, lembrando que não deve ser de graça, estipule um valor para cobrir os custos do evento e das pessoas que serão chamadas, isso evitará boa parte do lixo de detonar com o local (pessoas que não dão valor e nem respeitam outros, só causando baderna).

João Brasil disse...

Salve Cristóvão....

Exatamente...estou com um projeto (pequeno ainda , é verdade) para uma experiência deste tipo. Quero justamente realizar algo como um piloto para um encontro onde possa colocar em prática esta nova forma de auxiliar e valorizar os rpgístas...

Claro que por ser uma inciativa solitária estará longe de ser um grande evento... mas será o primeiro passo....

Como disse no texto, nos grandes eventos a facilidade é a convergência de pessoas para um mesmo lugar e a existência de tantos patrocinadores.... Mas também disse que isso é possível em um 'encontro'....

Esse segundo semestre promete...heheheh .... Lógico que tudo será divulgado e documentado!!!

Mas me diga Cristóvão... além do desafio, qual a tua análise sobre o tema? Teu ponto de vista? Tua experiência sobre o assunto? Muito me interessa saber o que tu pensa?

Cochise César disse...

Em resumo:
A fusão do Laboratório de Jogos com o EIRPG.

Em algum momento durante o LabJo disse que este era o único evento voltado para os criadores de jogos, e é verdade. Reunir os dois extremos no mesmo evento seria mesmo lindo, porque faria algo como o LabJo ser uma coisa menos "de cabeção", diluindo as fronteiras entre game consumer e game designer.

João Brasil disse...

Perfeito Cochise....bem isso..... espaço para simplesmente jogar, espaço para ensinar, espaço para comprar e espaço para aperfeiçoar!!!

Chegaremos lá....tenho certeza disso,... pelo bem do RPG nacional!