segunda-feira, 6 de julho de 2015

A Confraira de Arton desaprova... 02

A Confraria de Arton desaprova... 02

Odeio quando tenho que voltar neste assunto e fazia um tempinho que não precisa, mas não podemos deixar passar batido. Uma jogadora de RPG e ex-membro de um grupo de RPG no Facebook divulgou os comentários de outro membro. Esses comentários estão cheios de preconceito e sexismo. Mas o pior é que após verificar a conversa completa com todos os comentários ficamos abismados com o grau de preconceito não só de um membro isolado, mas de muitos deles. O grupo no caso é o Vampiro: aMáscara Brasil e a postagem ainda está lá. Claro que no meio do preconceito muitos homens e mulheres, jogadores de RPG, tentam argumentar e enfrentar os preconceituosos, mas no fim, esses comentários sexistas marcam muito. Nem sei se preciso explicar algo mais, devido ao absurdo do comentário da imagem.


Depois, conversando com algumas jogadores que acabei fazendo contato devido à postagem tomei conhecimento de histórias e fatos horríveis, infelizmente nada que seja tanta novidade assim para aqueles que estão atentos à esta prática. Abuso sexual e verbal, violência física e psicológica, muitas coisas de que o RPG deveria estar afastado, mas não está.

Nós, da comunidade rpgística, temos a obrigação de divulgar esses fatos, exigir providências e atuar ferrenhamente contra. Se for um grupo do Facebook exija o banimento do membro que praticar tal ato. Se for uma postagem individual divulgue e debata. Avise os amigos e companheiros de ação para fazerem uma frente. Temos que limpar a prática do RPG da corja sexista, machista, preconceituosa e qualquer outra prática excludente e inferiorizante.

Não confundam descontração e piada com desrespeito, com preconceito, com violência verbal... Esse debate e essa prática de intolerância ao preconceito em nada enfraquece o RPG. Muito pelo contrário, isso mostra nossa capacidade de lutar pelo certo e de desejarmos que sua prática seja algo que acrescente à todos. Ao meu ver o RPG é (ou deveria ser) um estupendo formador de caráter. Mas essas práticas pode transformá-lo em um desvirtuador, ou pior, um antro.

Pensem bem...


NOTA: tenho um arquivo com todas as prints dos comentários até o momento. Por uma questão de respeito à nomes não deixarei em aberto na postagem, mas posso disponibilizar (in box) para quem desejar verificar.

7 comentários:

Fernando Salvaterra disse...

Ótimo e necessário post. Acho muito importante que nós, homens rpgistas que não concordamos com esses absurdos nos manifestemos sempre que possível sobre isso para desautorizar esses imbecis que, infelizmente, infestam nosso hobby.

Sobre os comentários expostos aqui: é bastante icônico que o infeliz que os fez enxergue que a maioria das mulheres rpgistas estão acima do peso e são feias (um conceito tão relativo e discutível) sem perceber que muitos dos rpgistas homens também estão acima do peso e não são lá os galãs que eles imaginam ser. Ou seja, machismo puro e simples.

Anônimo disse...

Olá, Confraria!
Em minha mesa que irá se formar há um rapaz back bloc. Não sei se permito que ele faça parte da mesa ou não. Oquê vcs acham?
Winston Smith.

João Brasil disse...

Em primeiro, obrigado pelo elogio e comentário Fernando....

Em segundo, todos sabem que não tenho o costume de responder à Anônimos, mas abrirei uma exceção pela gravidade do caso.... Não podemos negar a possibilidade de qualquer um participar por suas tendências políticas. Não foi isso que eu desejei demonstrar com o texto. Mas temos sim a obrigação de orientar todos para que esta prática não ocorra nunca.

Não podemos implementar um caça às bruxas pois isso sempre termina muito mal e repleta de injustiças, mas podemos implementar um cuidado permanente para que práticas como sexismo e preconceito não continuem.... Ser black bloc não faz dele sexista ou preconceituoso, o faz apenas ser uma pessoa que tem uma concepção política específica.

Qualquer um pode ser sexista e preconceituoso...pode ser um religioso (que qualquer segmento), pode ser um branco, um negro, um amarelo, um homem, uma mulher, um advogado, um porteiro, um gremista ou um colorado.... pois essa concepção vai além desses rótulos....

Deixe-o jogar (se é que atua pergunta foi séria e sincera) e avalie como ele se porta, como ele trata os outros.... Tenho certeza que tu já sabe muito bem!!!

Abraços!!

Anônimo disse...

Olá, João!
É que no caso, o black bloc defende países como Cuba, Coréia do Norte, Irã, Rússia, onde há severas perseguições a homossexuais e mulheres, num país destes se você tiver sorte vai pra cadeia, se não tiver é fuzilamento ou apedrejamento público.
Outra coisa: ele vive com camiseta do Che, aquele cara que defendia fuzilamentos na ONU ( https://www.youtube.com/watch?v=BE1IQaJb_Zc ) e tinha um projeto de campo de concentração para gays e dissidentes do regime.
Outra coisa2: naquelas manifestações de 2013 ele se gaba de destruir vários carros de "burgueses" e de queimar uma banca de jornal.
Daí eu penso: poxa: menino black bloc se vangloria de queimar uma banca onde trabalhava um pai de família...

Tu te referiste ao nerd gordinho como "corja". O nerd gordinho é só um sujeito de pouca habilidade social no geral, com meninas então ele é um desastre mas não oferece perigo algum. Ainda assim pra ti ele é corja.
Já um menor que estupra e mata é visto por muitos como uma vítima da sociedade.

Então, vamos combinar, essa questão não é só sobre machismo e sim principalmente sobre ideologia. Vá nas páginas das pessoas que reclamam desses monstros-nerds-machistas e você vai ver um alinhamento de esquerda, postagens contra o Presidente da Câmara, dizendo que a maioridade não resolve e por aí vai.
É um embate ideológico de pessoas que só enxergam foucault/rousseau, opressor X oprimido, homem X mulher, hétero X gay, branco X negro... ÓDIO, ÓDIO, ÓDIO.


ISSO É PROBLEMA: menor matando e estuprando sendo defendido por gente que quer ter um alívio de consciência simulando alguma superioridade moral para os amigos esquerdinhas.
http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/estupro-espancamento-e-morte-a-tarde-de-horror-no-piaui/
https://www.youtube.com/watch?v=-zE9kOHsjec
http://www.implicante.org/blog/o-estupro-coletivo-no-piaui-e-o-silencio-do-feminismo-esquerdista/
http://extra.globo.com/casos-de-policia/cinco-adolescentes-estupram-menina-de-12-anos-filmam-crime-na-baixada-fluminense-16656898.html

Winston Smith


João Brasil disse...

Vamos lá então e por partes....

Pelo jeito tu já conhece tanto o rapaz que me surpreende que tenha me perguntado sobre o que aconselhava... Deve ponderar então que a tua pergunta foi cheia de segunda intenções, intenções essas que eu não entendi. Se tu já tem tanta restrição com relação à ele acho que já deves saber o que fazer....

Quanto a posição política dele, também não me posicionei pois esse não é o lugar. Mas como historiador posso ter garantir que não devemos ser tão maniqueístas assim. Bom e mau é muita polarização.... existem muitos tons nesse meio. Nem todo o comunista "come criancinha" e nem todo capitalista quer escravizar o proletariado...

Segundo... Não me lembro de ter chamado gordinho algum de "corja" (até por que eu estaria me incluindo nesse grupo com meus quilos à mais... Chamei de corja quem é preconceituoso, sexista e adepto da irracionalidade humanista. Acho que está misturando as questão de ética e moral desses assuntos....

Agora, tu me dizer que quem defende a bandeira contra o sexismo e o preconceito é de alinhamento esquerdista é muito simplismo e pouca visão (sem querer ofender) do todo. Como eu disse antes, as coisas não podem ser vistas de forma maniqueísta... Tenho como amigos e conheço pessoas que são de todos os segmentos políticos e ideológicos, tanto de esquerda quanto de direita, que carregam a mesma bandeira contra a intolerância religiosa, contra o abuso sexista, contra o machismo idiota.

Então, acho melhor rever com calma esses conceitos básicos até para teu próprio auto conhecimento. Não levanto aqui bandeiras ideológicas, mas humanistas, não defendo partidos (embora tenha o de minha preferência) mas ética humana (Algo que não existe hoje em dia em nenhum alinhamento político no Brasil ou partido)... Defendo o ser humano pelo que ele é não pela aparência ou condição.

Abraço

Anônimo disse...

OK, Professor!
Confesso que tava provocando mesmo!
Bom, sou de direita, mas não o que chamam de direita aqui, como esses pastores e tal. Admiro Thomas, Dowell, Thatcher, Ayan Rand, Edmund Burke, Horowitz,Pondé, etc.
Pax.

João Brasil disse...

Imaginei...

Abraço