quinta-feira, 18 de maio de 2017

Imagens para Inspirar: A arte distópica de Simon Stalenhag

Imagens para Inspirar
A arte distópica de Simon Stalenhag


Alguns dias atrás eu postei o lançamento do RPG sueco Tales of the Loop, ricamente ilustrado pela arte de Simon Stalenhag. Cenário que mescla um ambiente dos anos oitenta com muitos robôs, ele se casou perfeitamente à obra Stalenhag. As poucas imagens com as quais ilustrei a postagem trouxe muita curiosidade sobre o artista, então resolvi apresentar um pouco mais de seu trabalho neste Imagens para Ilustrar de hoje.

Natural da zona rural de fora de Estocolmo, ele cresceu desenhando a natureza bucólica das terras geladas, inspirada pelas obras de Gunnar Brusewitz (1924-2004) e Lars Johnsson (1952 - ). Com o tempo seu talento aumentou indo além das terras suecas, e ele continuou com sua preferência pelos cenários do interior do país nórdico, mas agora acrescentando robôs e seres fora de nossa realidade. Mais do que isso o artista criou uma história própria para um mundo distópico que ele ilustrou com esmero. Sua intenção inicial era criar uma revista de ficção

"Desde os anos 50, o governo tem feito funcionando um enorme coalisor de partícula em uma estrutura de pesquisa um par das milhas fora de Estocolmo. A instalação está localizada no subsolo e possui muita tecnologia experimental. Ao longo dos anos 50, 60 e 70, tudo vai esplendidamente bem, mas assim como com o estado de bem estar sueco durante esse período, ele começa a ruir. E coisas ruins seguem dele. As pinturas representam a crônica das vidas das pessoas daquele mundo e como elas são afetadas pela ruína do projeto científico Behemoth. Ainda não sabemos como isso vai acabar.” E enquanto essas estruturas sinistras surgem, Stalenhag diz que seu mundo está muito ocupado desmoronando-se para ser uma ameaça para seu povo: “Essas pessoas vivem em uma sociedade, uma vez motivada por um orgulhoso tecnológico otimismo.” [retirado da revista Wired]


Ele começou esse processo como um hobby em seu tempo livre, mas conforme as artes foram se acumulando em seu site ele começou a agregar todas as ideias e passou a criar uma história juntando todas as peças.

“Eu comecei a fazer aquarelas e pinturas de gouache, então eu tento imitar o fluxo de trabalho tradicional, tanto quanto possível", diz Stalenhag que as cria digitalmente hoje em dia. “Eu coloquei um grande esforço em fazer as escovas digitais se comportarem naturalmente e preservar uma certa ideia de como se fosse feito à mão com pincel.

Sua fontes de inspiração no campo da ficção científica ligado à arte, ainda quando adolescente, foram o design conceitual de Ralph McQuarrie (“ET” e a trilogia clássica de “Star Wars”) e Syd Mead (“Blade Runner” e “Aliens”).



































































Um comentário:

Douglas Scafutto disse...

Essas ilustrações são absurdas, esse cara é um mago =D