quinta-feira, 4 de abril de 2019

Encontros Icônicos: Platéia Difícil - conto de Lem para Pathfinder 2.0



Pathfinder 2.0 – Conto de Lem

Estamos em nosso quatro encontro icônico da paizo para Pathfinder 2.0. Já tivemos o mago Ezren, a bárbara Amiri, o ranger anão Harsk e a clérica Kyra e agora chegou o momento do bardo halfing Lem. Delicie-se e conte os dias.

o  O  o

Platéia Difícil


As três harpias circulavam as ruínas, derramando ameaças, dardos e excrementos em igual medida.

“Oh sim?!” Lem se esquivou de outro grotesco objeto arremessado, soltando o nó de seu estilingue giratório. A bala disparou da bolsa, esmagando-se no queixo da líder e deixando-a cair na praça de paralelepípedos. “Traga isso, birdbrains!”

As harpias remanescentes - um macho e uma fêmea - gritaram e recuaram até a arcada desmoronando, colocando os antigos pilares entre eles e outras pedras de funda.

Valeros amaldiçoou quando uma de suas poucas flechas restantes se quebrou contra a alvenaria. Ele colocou outra. “Pelo menos nós os temos em fuga.”

E então, como anjos fétidos, as harpias abriram suas bocas e começaram a cantar.

As notas pareciam muito puras para os dentes com presas que os faziam - altos e claros, sem qualquer vestígio do grito de caça habitual das harpias. Seu refrão assombroso ecoou pela praça.

Lem bufou. “Ah, sim, natural menor - muito assustador, muito exótico. Mas você terá que fazer melhor que isso se...”

Ao lado dele, Valeros deu um passo cambaleante para a frente, o dorso abaixada e os olhos arrebatados em branco.

“Oh vamos lá!” Lem agarrou o pulso do guerreiro, apenas para ser empurrado para o lado quando Valeros começou a correr em direção às harpias sorridentes. “Sério ?! Eles nem sequer têm letras! E quanto a rima e métrica? Jogo de palavras inteligente?”

Merisiel se esquivou na frente de Valeros, mal conseguindo evitar um balanço que teria tirado sua cabeça. “Eu não acho que ele esteja interessado em uma educação artística agora, Lem!”

“Qual a novidade?" Mas Lem colocou sua funda longe. Puxando a flauta, ele subiu pela lateral da entrada do templo e se empoleirou sobre as pedras desmoronadas. Ao redor dele, a música das harpias enchia o ar, carregada de magia.

Lem franziu os lábios. “Não é um riff ruim”, ele admitiu. “Um pouco simples, mas você tem que começar em algum lugar.” Ele levantou a flauta. “Agora, deixe-me tentar.”

Ele jogou. No começo, eram apenas notas - uma rápida ascensão trilhante para se certificar de que ele tinha a chave certa -, mas era o suficiente para acender sua própria magia. O feitiço girou dentro dele quando ele encontrou o embalo, combinando perfeitamente com a melodia das harpias.

Por um momento, ele quase não quis seguir adiante. Havia uma qualidade infecciosa na música das harpias - não a compulsão mágica de levar Valeros ao seu destino, mas o prazer familiar ou de brincar com outros músicos talentosos. As harpias eram talentosas, à sua maneira. Sob outras circunstâncias, ele teria adorado se perder, sentindo seus tons ressoando em seu peito, suas harmonias levantando o cabelo em seus braços e dedos dos pés. Em vez disso, ele deixou que o desejo alimentasse sua magia, inchando em direção a um vasto e iminente crescendo.

Ouvindo sua própria música ecoando de volta, as harpias olharam para ele com surpresa.

Lem balançou as sobrancelhas e acionou o feitiço.

O poder fluiu através dele, penetrando em seus pulmões, percorrendo seus dedos. Ainda era ele jogando, mas agora era como se ele tivesse tocado essa peça em particular mil vezes, seu corpo se movendo através da memória muscular, mais rápido que o pensamento consciente. Sua flauta mergulhou longe da linha da melodia, passando pela peça como golfinhos brincando nas ondas. E onde ele tocava, a música das harpias mudava: seus tons alteravam seus acordes, suas notas preenchiam seus silêncios, cada revisão roubava sua performance de seu poder. Ele soprou mais forte, e a magia encontrou as notas mais cruciais da música e as inverteu, tocando notas fantasmas que de alguma forma colidiram com as harpias e as cancelaram, sugando ambos os tons do ar.

As harpias interromperam a música vacilante. Gritando de indignação, se inclinaram e mergulharam em direção ao bardo, garras e tacos estendidos.

A flecha de Valeros pegou a fêmea no ombro, fazendo-a cair do céu. A adaga de Merisiel era um segundo mais lenta, mas duas vezes mais segura, lançando-se através da garganta do macho e matando-o antes que ele tivesse a chance de cair.

Lem deixou a mágica desaparecer. Puxando a flauta de seus lábios, ele olhou para as harpias caídas com genuína tristeza.

“Desculpe”, ele disse. “Vocês eram bons, mas meus amigos são uma espécie de gente difícil ...”

- Gerente de Franquia Mark Moreland