quinta-feira, 23 de maio de 2019

Cenários de RPG - 47

Cenários de RPG - 47


Criativo e impressionante o cenário criado pelo D&D Doctor, do Colorado (EUA). Esta é a vila Titan’s Rest, montando com peças de DwarvenForge e o maravilhoso esqueleto de um titã. Incrível!







Cinema na Confraria: Trailer de Terminator: Dark Fate


Cinema na Confraria
Trailer de Terminator: Dark Fate

Terminator: Dark Fate recebeu seu primeiro trailer hoje. Sexto filme da franquia, ele mostrará o mundo duas décadas após a ascensão da Skynet. No elenco temos a volta da icônica Sara Connor, vivida pela atris Linda Hamilton. No elenco temos, além de Linda Hamilton (“Colheita Maldita”), Mackenzie Davis (“Balde Runner 2049”), Natalia Reyes (“2091”), Arnold Schwarzenegger (“O Predador”), Gabriel Luna (“Agents of SHIELD”), entre outros. A estréia está marcada para 31 de outubro.

Encontro Icônico de Pathfinder 2.0 - Fumbus


Pathfinder 2.0 – Conto de Fumbus

Você achou que os Encontros Icônicos acabariam com o da semana passada? Errado. Os Encontros Icônicos foram pequenos contos criados para os onze icônicos de Pathfinder numa preparação para o lançamento da nova edição, sempre postados logo após um vídeo da série Iconic Evolution (mostrando as evolução da arte do personagem) Tivemos onze Encontroa Icônicos desde então - a bárbara Amiri, o mago Ezren, o ranger anão Harsk, a clérica Kyra, o bardo halfing Lem, a ladina Merisiel, o monge Sajan, a paladina Seelah, a feiticeira Seoni e o guerreiro Valeros. Funbus é um personagem icônico desta nova edição, mas como ele não teve um vídeo do Iconic Evolution, visto que ele é novo, ele não teve um conto lançado...até agora! Divirta-se e prepara-se para o lançamento de Pathfinder Segunda edição em 1º de agosto, pela New Order.

o  O  o

Fogo no Porão

Talvez fosse o jeito que eles estavam segurando ele - de cabeça para baixo com uma faca na garganta -, mas Fumbus estava começando a ter a impressão de que os homens-rato não queriam picles.

Não fazia o menor sentido. Fumbus geralmente era muito bom com ratos. No começo, eles arranhavam e mordiam, como todas as coisas selvagens e peludas, mas normalmente tudo o que você precisava fazer era dar-lhes um pouco de comida e convencê-los de que não os comeria, e logo eles acalmaram.

Nesse ponto, você os comeria - porque eram ratos. Mas eles não precisavam saber disso.

Esses ratos, no entanto, nem sequer ouviram a oferta de Fumbus de um punhado de suas melhores larvas em conserva. Talvez fosse porque eram apenas ratos quando a lua estava cheia. O resto do tempo, eles eram humanos e quem poderia dizer por que os humanos fizeram alguma coisa?

Tudo começou inocentemente. Fumbus vinha fazendo sua infiltração mensal nas docas, procurando informações sobre Droven - uma espécie de ‘furtividade’ necessária, desde que o capitão do porto o banira das docas. Ele normalmente não passaria muito tempo procurando na nau dos wererats, já que era pequena demais para levar Droven às terras distantes para as quais Fumbus imaginava que o Desbravador deveria ter ido. Mas eles estavam carregando barris cheios de carne de porco salgada, e todos sabiam que carne de porco salgada era apenas picles de porco. Fumbus não conseguira resistir a roubar um pouco.

Quando ele abriu a tampa, no entanto, não havia tiras deliciosas de porco salgado, apenas um fino e empoeirado ‘pó’. Fumbus se inclinou para dar uma cheirada, e quase perdeu o controle do lado do barril enquanto os aromas esmagadores o esfaqueavam no cérebro. Ele balançou, o mundo ficou escuro e formigando, e então ele e o barril estavam caindo de lado.

Quando sua cabeça finalmente clareou, o mundo ainda estava errado, graças ao homem-rato segurando-o pelos pés. Estavam dentro do navio dos homens-rato, todos os marinheiros com longos focinhos e pêlos rasgavam a mochila de Fumbus, gritando sobre a Guarda do Porto e as gangues rivais e algo chamado "cascalho". Ele tentou fazer sua oferta de salmoura, mas o que segurava suas pernas o algemara com tanta força que quase desmaiou de novo.

Agora o capitão jogou a mochila no chão e virou-se para ele, com longos incisivos brilhando amarelos à luz da lanterna. Ele era um rato grande, usando um número desnecessariamente grande de facas, e se inclinou tão perto que Fumbus pôde sentir o cheiro do vinho em sua respiração.

“Para quem você está trabalhando?” Ele demandou. “Quem te mandou espionar nossa operação?”

“Ninguém!” Fumbus sacudiu a cabeça com força suficiente para quase perder os óculos de proteção. “Ninguém me mandou!”

“Eu não acredito em você.” O capitão enfiou a mão na mochila de Fumbus e tirou um frasco de vidro lacrado. Ele segurou, as garras de sua mão livre cavando as bochechas de Fumbus enquanto ele puxava a cabeça do goblin para encarar a poção. “Se você não está trabalhando para alguém, quem te deu isso?”

Fumbus se contorceu, mas não havia como escapar do aperto do homem-rato. “Ninguém! Eu os fiz!”

Isso provocou uma risada surpresa de todos os presentes. O capitão deu um sorriso largo e grotesco.

“Você fez isso.” Seu tom disse tudo. “Um alquimista goblin.”

“É verdade!” De sua posição invertida, Fumbus olhou para todos eles. “Eu sei de coisas - coisas secretas! Eu preparo mágica!”

O capitão recostou-se e cruzou os braços. “Se você é um alquimista”, ele demorou, segurando o frasco, “então o que este faz?”

Fumbus ficou olhando por um momento, depois respondeu com sinceridade. “Faz luz. Muito disso. Mas você tem que agitá-lo.”

“Mesmo?” Uma sobrancelha arqueou para cima. O homem-rato franziu os lábios, pensativo, depois sacudiu o frasco com força.

Fumbus não estava mentindo - essa mistura realmente fez luz. E calor. E um delicioso cheiro de fumaça enquanto a poção e o capitão explodiam em chamas.

O homem-rato segurando os pés de Fumbus saltou para trás, liberando seu aperto. Fumbus atingiu o convés e rolou, aproximando-se de sua mochila antes que as chamas pudessem ativar mais de suas misturas - ou pior, ferver seus picles.

Em um piscar de olhos, ele subiu a escada até o convés principal. Marinheiros gritavam e correriam atrás dele, mas ele procurou em suas bolsas enquanto corria, chegando com uma garrafa preparada pela metade e um punhado de ingredientes. Com um movimento praticado, ele enfiou os reagentes na garrafa, julgando as proporções corretas pelo tato e pelo cheiro, e lançou-a em uma escotilha aberta.

O fogo floresceu sob a proa, atraindo gritos dos que estavam presos embaixo.

Não foi o suficiente, no entanto. Enquanto vários marinheiros corriam para apagar as chamas, outros o perseguiam pela plataforma, pelo labirinto de caixotes que esperavam para ser carregados.

Ele considerou jogar outro frasco de fogo, mas os sinos de fogo do cais já estavam tocando. Ele passara a gostar de morar em Absalom e realmente não queria queimar o porto inteiro. Pelo menos não antes de Droven voltar.

Ele precisava de algo diferente. Enquanto corria, ele puxou garrafas e potes de sua mochila, abrindo as rolhas para provar cada um, tentando encontrar o que precisava. Acre significava guano, que era uma boa base, mas o suco de cogumelo não faria nada...

Atrás dele, as garras sujas raspavam contra o barril de pickles de Fumbus enquanto o rato principal se lançava.

Em desespero, Fumbus colocou outro frasco em sua boca. Seu conteúdo fervia e espumava em sua língua.

Perfeito! Mergulhando em torno de um amontoado de carrinhos de carga, ele retirou outra de suas bombas, cuspindo apenas a quantidade certa de líquido borbulhante. Com um movimento de sua pedra, ele acendeu o pavio...

...e segurou. Aqui nas docas, tudo estava aberto demais. Mas se ele pudesse encontrar o lugar certo...

Lá, um portão no quebra-mar, abrindo-se para um passeio lotado onde antigamente os marinheiros que agora festejavam olhavam para as chamas ou corriam para salvar seus navios. Fumbus se virou para ele, passando por um guarda chocado e jogou o frasco para trás por cima do ombro.

Explodiu em uma nuvem espessa de fumaça, engolindo os ratos que os perseguiam. Nesse momento de cegueira, Fumbus se abaixou entre as pernas de longas passando, desaparecendo na multidão.

Continuou correndo por mais dois quarteirões, certificando-se de que nenhum rato havia seguido, depois subiu a colina, subiu um barril de chuva e subiu no telhado de uma taverna. De um poleiro perto da chaminé, ele olhou para as docas, onde as chamas agora subiam de meia dúzia de navios.

Fumbus suspirou. Agora o mestre do porto nunca o ajudaria a encontrar Droven. Ele provavelmente teria que evitar todo o distrito por semanas, pelo menos. E nem foi culpa dele! Ele não queria que tudo terminasse em fogo. Era apenas algo que às vezes acontecia - como tempestades de raios ou roubo. Não havia nada a ser feito sobre isso.

Mas ele tinha que admitir, era meio bonito.

Recostando-se contra a chaminé, apoiou a cabeça contra os tijolos frios e observou as chamas virarem-se para o céu.


- Mark Moreland