sexta-feira, 15 de outubro de 2021

Resenha: Starfinder Tech Revolution

 Resenha: Starfinder Tech Revolution

 

Pelo menos para mim, Starfinder Tech Revolution era um dos mais aguardados suplementos de Starfinder... ora, ele tem Mechs!!!!. Agora que estamos em pleno financiamento coletivo do Mundos do Pacto, esse suplemento se torna ainda mais interessante para quando chegar em português. Aqui temos uma resenha muito interessante feito por Abram Towle, do site NerdsOnEarth. Leia, desfrute e morra de ansiedade!
 
Resenha: Starfinder tech Revolution
 
Quando você pensa sobre o que você esperaria ver no novo livro Tech Revolution para Starfinder da Paizo, o que vem à mente? Você está pensando em armas laser ou nas últimas inovações em armadura? Que tal aumentos cibernéticos ou uma classe jogável centrada no controle de nanites robóticos? E quanto ao MECHS?!

Você pode encontrar tudo isso e muito mais nas páginas do Starfinder Tech Revolution! Para um cenário de espaço futurista onde os limites da magia e da tecnologia são virtualmente inexistentes, é realmente ótimo ter conteúdo de tecnologia que expande o universo Starfinder. Além disso, inclui alternativas adicionais para jogadores que querem ser mais experientes em tecnologia sem sacrificar suas classes favoritas não baseadas em tecnologia.

Com todas as gentilezas fora do caminho, que tal mergulharmos no Tech Revolution e ver do que se trata?!

RPG de fantasia Entropic Fantasy é simples, abrangente e divertido

 RPG de fantasia Entropic Fantasy
é simples, abrangente e divertido

  
 
Mais novidades chegando no mercado de RPG. Mystical Throne Entertainment anunciou o lançamento de Entropic Fantasy, um RPG de fantasia independente construído a partir do Entropic Gaming System 2.0 OGL. Entropic Fantasy é um jogo de RPG de mesa desenvolvido pelo Entropic Gaming System 2.0 System Reference Document. Ele pode acomodar todos os tipos de cenários e estilos de fantasia usando o mesmo conjunto de mecânica. Projetado com o princípio de permitir o máximo de flexibilidade com o mínimo de regras, os personagens podem variar amplamente enquanto ainda retêm a profundidade de seu histórico, fornecendo aos jogadores os meios para traduzir seus conceitos de personagem em algo totalmente utilizável na mesa. 

Usando uma mecânica de dados crescente, de d4 a d12, um sistema de combinação que permite que Perícias sejam combinadas com diferentes Habilidades para produzir qualquer ação possível, Qualidades de personagem que podem ser usadas no jogo para produzir bônus por meio de Pontos Heroicos e mecânicas muito flexíveis para combate e talentos (mágica), o Entropic Fantasy mantém as regras medianas enquanto apresenta aos jogadores mais opções e flexibilidade! Quer se trate de fantasia épica, fantasia sombria, horror de fantasia, fantasia pulp ou fantasia histórica, o Entropic Fantasy pode lidar com todos eles! Com a licença Open Gaming License, os fãs e editores terceirizados podem aproveitar a mecânica simples para fazer o jogo realmente seu. Ele é um livro de regras central autônomo completo construído a partir do SRD EGS 2.0. Não requer nenhum outro livro para ser reproduzido.

No Entropic Fantasy está incluído:
 

- Doze culturas exclusivas de PC para escolher.

- Uma lista expandida de qualidades em comparação com o SRD.

- Uma grande coleção de equipamentos de fantasia.

- Conceitos de personagens mágicos.

- Uma lista expandida de talentos em comparação com o SRD.

- Orientação do GM para a criação de jogos e aventuras.

- Cenários de exemplo e aventuras.

- Um longo bestiário.

- … e mais!

 
Entropic Fantasy (EGS 2.0) está disponível com 50% de desconto no DriveTrhuRPG AQUI!

quinta-feira, 14 de outubro de 2021

Os funcionários da Paizo se organizam em sindicato - este é o primeiro sindicato de trabalhadores de RPG

  
Os funcionários da Paizo se organizam em sindicato
- este é o primeiro sindicato de trabalhadores de RPG -

 
Mais de 30 funcionários da editora Paizo Inc, de Pathfinder e Starfinder anunciaram hoje a formação do sindicato Unidet Paizo Workers com o apoio do Communication Workers of America, o maior sindicato de mídia dos Estados Unidos. United Paizo Workers é o primeiro sindicato de seu tipo na indústria de RPG de mesa.

Os sindicatos ajudaram a construir uma classe trabalhadora mais forte na América e estou orgulhoso de apoiar a United Paizo Workers”, disse o editor da Paizo, Shay Snow, por meio de um comunicado à imprensa. “Acredito que quando todos trabalhamos juntos, somos melhores para isso. A sindicalização permite que os trabalhadores tenham um assento à mesa e garante que nossas vozes e preocupações sejam ouvidas e tratadas para que todos na Paizo possam seguir em frente para um futuro positivo.”

Com sede em Redmond, Washington, a Paizo é uma das maiores editoras mundiais de jogos de RPG de mesa, muitas vezes considerada uma concorrente direta da editora Wizards of the Coast de Dungeons & Dragons. Na verdade, a empresa foi fundada para publicar as revistas oficiais de D&D - Dungeon e Dragon - antes que a Wizards of the Coast se recusasse a renovar as licenças em 2007. A Paizo subsequentemente começou a trabalhar em seu próprio RPG – Pathfinder -, publicando a primeiro em 2009.

A Paizo realiza algumas das campanhas vivas de maior sucesso na história dos jogos de mesa, com jogadores regulares em mais de 36 países”, explica o comunicado à imprensa da United Paizo Workers. “No entanto, apesar desse sucesso, os trabalhadores da Paizo são mal pagos por seu trabalho, obrigados a viver em uma das cidades mais caras dos Estados Unidos e sujeitos a condições de aperto insustentáveis ​​regularmente.”

Os trabalhadores que assinaram seus nomes no anúncio do sindicato United Paizo Workers variam de designers de jogos e editores a desenvolvedores de software e engenheiros.

A Paizo foi duramente criticado no início deste ano pela demissão de Sara Marie, uma veterana de 12 anos na empresa que cuidava do atendimento ao cliente e gerenciamento comunitário. Diego Valdez, que trabalhou com Marie, renunciou logo depois, criticando a empresa pela “natureza covarde” da demissão de Marie e sua falta de “competência gerencial e integridade” em seu caminho para fora da porta.

Tudo isso veio à tona quando a ex-funcionária Jessica Price publicou um longo tópico no Twitter acusando os executivos da Paizo de (entre outras coisas) assédio sexual, lutando contra os esforços de diversidade dentro da empresa e demitindo Marie por lutar contra o ambiente de trabalho tóxico que essas ações fomentavam. O presidente da Paizo, Jeff Alvarez, inicialmente evitou essas afirmações  antes de prometer melhorias vagas em uma declaração.

Esses eventos, bem como as conversas internas entre os trabalhadores da Paizo, descobriram um padrão de práticas de contratação inconsistentes, desigualdade de pagamento em toda a empresa, alegações de abuso verbal de executivos e gerência e alegações de assédio ignoradas ou encobertas por aqueles que estão no topo”. O anúncio do sindicato Paizo continua. “Essas descobertas galvanizaram ainda mais a necessidade de políticas mais claras e proteções mais fortes aos funcionários para garantir que os funcionários da Paizo possam se sentir seguros em seus empregos.”

A United Paizo Workers está convocando o resto da comunidade de RPG de mesa para apoio em seus esforços e pede que a administração da Paizo reconheça voluntariamente o sindicato antes das negociações.

As mudanças foram prometidas, interna e externamente, pela equipe executiva”, conclui o comunicado. “No entanto, a única forma de garantir que todas as vozes dos trabalhadores sejam ouvidas é a ação coletiva. É com esse espírito que os trabalhadores da Paizo se uniram para pressionar por mudanças reais na empresa.”

 [Notícia reproduzida do site Kotaku.com]

quarta-feira, 13 de outubro de 2021

Pathfinder 2e - Conhecendo os Icônicos - Droven, o icônico do Inventor

 Pathfinder 2e
Conhecendo os Icônicos
Droven, o icônico do Inventor

 

É estranho o que a mente fará quando confrontada com um trauma significativo. Algumas pessoas gritam ou lutam, outras recuam, outras ainda fogem. Enquanto o navio de Droven sacudido pela tempestade foi lançado ao ar apenas para se espatifar sobre as rochas da costa de Arcádia, ele encontrou uma estranha calma pairando sobre ele. Mesmo quando uma verga de madeira se soltou de seu cordame e quebrou seu braço, ele se viu analisando calmamente a situação.

Claramente, a expedição foi um fracasso. Ele não conseguiu encontrar nenhum dos outros desbravadores que embarcaram com ele, embora por algum motivo ele não conseguisse mais ver com o olho esquerdo, então talvez eles estivessem por perto. O navio foi claramente uma perda, no entanto. Mesmo que sua estrutura fosse de alguma forma arrastada para a costa e um número suficiente de sua tripulação sobrevivesse para navegá-lo de volta para casa, as ilhotas nas quais eles caíram pareciam improváveis ​​de fornecer a madeira necessária para reparos.

Enquanto Droven considerava a probabilidade de o navio ser reparável, outra onda de ventos e ondas uivantes lançaram os destroços no ar mais uma vez, desta vez virando o navio completamente. O último pensamento de Droven ao afundar sob as ondas foi que os reparos definitivamente não seriam uma opção.

terça-feira, 12 de outubro de 2021

Cowboy Bebop RPG será lançado em 2022

 Cowboy Bebop RPG será lançado em 2022

 

Sem trazer surpresa para ninguém, foi oficialmente anunciada a adaptação de Cowboy Bebop ´para o mundo do RPG. O anúncio veio por meio de um comunicado da Mana Project Studio e da Don’t Panic Games, firmando a parceria com a Sunrise (detentora dos direitos do anime). Sabemos pouco por enquanto, apenas que o financiamento coletivo será realizado em 2022 e que o material será inicialmente feito em três idiomas – inglês, francês e italiano.

Vejamos o texto do anúncio abaixo:
 
 

Paris, 11 de outubro de 2021. Immediate Release.


A Mana Project Studio e Don't Panic Games, em parceria com a Sunrise, têm o orgulho de apresentar a você Cowboy Bebop, o Role-Playing Game: o RPG de mesa oficial de um dos animes mais amados de todos os tempos!


Cowboy Bebop, dirigido por Shinchiro Watanabe, é uma das séries de anime mais famosas de todos os tempos. Transmitido em 1998 no Japão e em todo o mundo nos anos seguintes, teve um culto tão grande até hoje que o remake live-action será um dos maiores lançamentos da Netflix em todo o mundo em novembro de 2021.


Em Cowboy Bebop: The RPG, os jogadores viverão suas próprias histórias de caçadores de recompensas no espaço, em um universo jazzístico que mistura filmes de faroeste, filmes noir e policial, acompanhados por uma das melhores trilhas sonoras de anime da história.


O jogo será criado pelos premiados autores italianos Fumble, que ganhou o prestigioso prêmio Italiano de Jogo do Ano em 2020 por Not The End. Ele chegará ao Kickstarter em 2022 e, com sorte, chegará às lojas até o final do ano. Seu lançamento inicial contará com os idiomas inglês, francês e italiano.


Como um pioneiro da animação japonesa na Europa e um dos primeiros RPGistas, sempre sonhei em viver aventuras nos universos de animes famosos. Estamos contentes que a Sunrise, com quem trabalhamos há muitos anos, nos confiou tornar esta primeira experiência possível.” comenta Cedric Littardi, fundador da Don't Panic Games.


Cowboy Bebop faz parte daqueles animes que fizeram parte da nossa formação cultural. Como fãs do anime, estamos entusiasmados em poder trabalhar neste projeto, uma oportunidade única de design tanto nos temas do CBB quanto em sua forte identidade visual. Nosso objetivo é compartilhar nossa paixão pelo Cowboy Bebop com você com este jogo!” diz Michele Paroli, fundadora e designer-chefe do Mana Project Studio.


Um folheto de apresentação estará disponível exclusivamente durante a feira de jogos Essen SPIEL na próxima semana no estande 2D116 da Don't Panic Games.

segunda-feira, 11 de outubro de 2021

iHunt entra em financiamento dia 25, um RPG de e para a comunidade LGBTQ+ (resenha)

 iHunt entra em financiamento dia 25,
um RPG de e para a comunidade LGBTQ+ (resenha)

 

Vamos falar de jogos sensacionais e crítico? Então vamos falar de #IHunt: The Tabletop RPG. Criação de Olivia Hill e Filamena Young, lançado pela Machine Age Productions, baseado no sistema FATE e que será lançado no Brasil em português pela IndieVisivel Press. A muito tempo que eu aguardava a notícia de que iHunt seria lançado no Brasil, e quando soube dessa informação alguns meses atrás, fiquei ansioso em a noticiar. O financiamento coletivo começará em 25 de outubro próximo pela plataforma Catarse e nada melhor para aguardar a data e contar os dias do que uma resenha! Vamos lá, então?

O RPG iHunt é baseado na série de romances de Olivia Hill chamado de iHunt: Killing Monsters in the Gig Economy. O RPG já começa de forma diferente e direta: “#iHunt é um jogo de e para a comunidade LGBTQ+. Este é um jogo de e para pessoas pobres. Este é um jogo para todas as pessoas que a sociedade deixa para trás e deixa cair pelas beiradas. Escrevemos este jogo para nos vermos chutando a bunda em um mundo em que a indústria de jogos em geral ainda é hostil à diversidade, apesar de todas as alegações em contrário. Este não é um jogo com uma barra lateral sobre como “você tem permissão para interpretar personagens não binários de gênero”. Este é um jogo sobre pessoas marginalizadas.”

Infelizmente o tema LGBTQ+, assim como política ou economia no RPG (e que também serão abordados nele), ainda são alvos da ira de uma parcela e preconceituosa da sociedade. E não é por ser um produto para nerds e geeks (com muitas aspas aqui) que haveria menos preconceito e hostilidade. É óbvio que uma mensagem dessas logo na segunda página do livro pode parecer um fechar de portas para quem não pertence à comunidade. Ledo engano. Uma mensagem dessas está apenas apresentando o cartão de visitas do que todos poderão ler nas páginas e nas entrelinhas que virão à frente. É uma forma de dizer “se isso te incomoda, este não é um RPG para você... tchau!”. Mas ele é um RPG para todos, para todos os que não se incomodam com isso, pois não há nada para se incomodar com isso.

domingo, 10 de outubro de 2021

Lançado Unearthed Arcana Travellers of the Multiverse

  
Lançado Unearthed Arcana
Travellers of the Multiverse

 
Um novo Unearthed Arcana intitulado Travellers of the Multiverse, lançado pela Wizard of the Coast, apresenta raças jogáveis ​​de uma miríade de mundos de Spelljammer. Agora, claro, apenas dizer as palavras Spelljammer e Confirmado próximas é provavelmente o suficiente para enlouquecer os fãs mais saudosos. Da mesma forma, com este novo Unearthed Arcana, damos uma olhada em algumas raças jogáveis ​​tiradas diretamente das páginas do índice do Monstrous Compendium de Spelljammer.

As novas raças apresentadas são: astral elf, autognome, giff, hadozee, plasmoid e thri-kreen


- Astral elf: um elfo habitante do Plano Astral, provavelmente com milhares de anos 

 

- Autognome: Um gnomo mecânico dotado de livre arbítrio 

 

- Giff: um ser com cabeça de hipopótamo de tamanho impressionante 

 

- Hadozee: um ser símio altamente adaptável que usa membranas semelhantes a asas para planar 

 

- Plasmoid: um ser semelhante a uma ameba 

 

- Thri-kreen: Um insetoide telepático de seis membros

 
Como sempre, o material do Unearthed Arcana pode ser baixado gratuitamente AQUI!

quinta-feira, 7 de outubro de 2021

Pathfinder Segunda Edição - Encontros Icônicos: Marés Sinistras

  
Pathfinder Segunda Edição
Encontros Icônicos: Marés Sinistras

 
REAGENTES!

O goblin, Fumbus, saiu saltando das palmeiras para a praia com algo nas mãos erguido triunfantemente alto.

Valeros teve que reprimir o desejo de franzir a testa e suspirar. Fosse o que fosse que o excitável alquimista falava, Valeros não compartilhava de seu entusiasmo e tinha uma sensação de desânimo que não estava prestes a mudar.

Ele já havia lascado a lâmina de sua espada com a ajuda de uma pedra de amolar para cortar meia dúzia de troncos de mogno para uma jangada; seu humor não iria melhorar tão cedo.

Reagentes!” Fumbus foi até Valeros para mostrar sua descoberta. Assim que eles chegaram perto do nariz de Valeros, não havia dúvidas sobre o que eram as pelotas do tamanho de sementes pretas nas mãos do goblin.

Eeuughh!” Ele recuou para longe do cheiro. “Não empurre isso na minha cara, seu...” Valeros pensou em todos os inúmeros goblins que o amaldiçoaram ao pensar em uma palavra para realmente expressar seu descontentamento, e então desistiu.

Fumbus deu uma risadinha e jogou o guano de morcego no barril de grogue remendado que jazia em meio às centenas de outros fragmentos lançados pela maré de seu navio quebrado pelo recife espalhado pela praia. Depois de esfregar as mãos por um momento, o goblin gargalhou histericamente de uma forma que Valeros passou a associar a explosões iminentes.

REAGENTES!

sábado, 2 de outubro de 2021

Entrevista com Andrew EC Gaska, autor de Alien RPG: Colonial Marines Operations Manual

  
Entrevista com Andrew EC Gaska, autor de Alien RPG: Colonial Marines Operations Manual

 
Uma das incríveis linhas de RPGs lançados pela editora New Order é o incrível Alien RPG, criado pela Free League. Nos brindando com toda a emoção que nos remetes aos filmes e quadrinhos clássicos da franquia, Alien RPG é um deleite para os fãs e ainda tem muita coisa reservada para nós. Após o lançamento do livro básico, agora estamos no aguardo do suplemento Alien RPG: Colonial Marines Operation Manual também em português.

Para esquentar as coisas e aumentar a vibe dos fãs, vamos acompanhar uma entrevista com Andrew E. C. Gaska, autor desse suplemento, e lançado no site italiano Tomshw (link).
 

Entrevista a Andrew EC Gaska, autor de ALIEN RPG: Colonial Marines Operations Manual
 

Nos últimos dias, tivemos o privilégio de entrevistar Andrew EC Gaska , o escritor principal da história e do cenário de Alien RPG, o premiado RPG oficial da franquia Alien da editora sueca  Free League Publishing. Ele é, de fato, a assinatura em Carruagem dos Deuses  e Destruidor de Mundos, os dois Cenários Cinematográficos lançados até agora e no muito recentemente lançado Colonial Marines Operation Manual, que revisamos há um mês. Além disso, Andrew EC Gaska também é consultor da 20th Century Fox em relação à continuidade e ao cânone da marca Alien e outras grandes franquias, além de ser um escritor de ficção científica aclamado.

Vamos acompanhar então à entrevista, na qual surgiram temas interessantes como a gestão do cânone de uma marca famosa e o futuro do Alien RPG .


Oi Andrew, obrigado pelo seu tempo. Sabemos que além de ser o escritor principal e escritor de cenários de Alien RPG, você é um escritor aclamado de romances de ficção científica e que também tem uma carreira prolífica no mundo dos quadrinhos, além de ser um consultor para a Twenty Century Fox pela continuidade e cânone das marcas Alien, Predator e Planeta dos Macacos. Por favor, conte-nos um pouco mais sobre você.

Andrew E.C. Gaska: Olá e obrigado! Parece que você cobriu as grandes coisas acima! Também sou um ávido colecionador de brinquedos e morreria pelo meu gato, Adrien. Há muito para contar sobre mim, mas vamos falar sobre RPGs e Alien!

sexta-feira, 1 de outubro de 2021

Pathfinder 2e - Conhecendo os Icônicos - Nhalmika, a icônica do Atirador

 Pathfinder 2e
Conhecendo os Icônicos
- Nhalmika, a icônica do Atirador -

 

Nhalmika Ironsight honra a tradição anã, mesmo enquanto ela vagueia pelo mundo da superfície longe de casa. Com sua constituição larga, juba de cabelos escuros e olhos âmbar, Nhalmika é impressionante em qualquer cenário, mas é a espingarda anã que ela mantém à mão que seus amigos e inimigos mais se lembram.

O nascimento de Nhalmika foi uma celebração. Terceira filha de dois prósperos mercadores anões, Nhalmika se tornou a última adição a uma família maior do que a da maioria dos anões no Castelo Dongun. Seus dois irmãos mais velhos a idolatravam, fazendo artesanatos simples como presentes e, à medida que sua habilidade crescia, os presentes que faziam se tornavam mais artísticos. Ela dentava ladrilhos de ouro gravados com as imagens de ancestrais e dormia sob as esculturas de pedra dos maiores líderes do Castelo Dongun. Os pais de Nhalmika providenciaram para que seus filhos tivessem roupas finas e tutores talentosos, mas estavam ocupados demais para ter algo a ver com sua educação.

Todos esperavam que Nhalmika se tornasse uma artesã como seus irmãos ou uma comerciante como seus pais. Ela não tinha aptidão para nenhum dos dois. Ela era mais hábil em julgar arte do que em criar, notando pequenas falhas, como uma linha irregular em uma escultura ou uma rachadura em uma pedra preciosa ou estátua. Ela tinha um fraco por histórias de azar e pedidos de crédito, e seus pais logo aprenderam que não podiam confiar nela para preservar as finanças da família. Sua mãe reclamou que a ânsia de Nhalmika em ajudar os outros os tiraria do mercado.

quarta-feira, 29 de setembro de 2021

Sexta edição de D&D chega em 2024

  
Sexta edição de D&D chega em 2024

 
Uma sexta edição de Dunfeons & Dragosn está à caminho! Em um painel sobre o Futuro do D&D, a WotC anunciou que está trabalhando em uma “Nova Evolução” dos livros básicos, que estarão à venda 2024. O anúncio foi feito por integrantes da equipe de design da WoTC incluindo o designer de regras Jeremy Crawford, Chris Perkins, Liz Schuh e o chefe de D&D Ray Winninger.

Em meio à muitas informações no painel, a grande notícia da noite foi que a Wizards of the Coast está planejando lançar novas versões dos principais livros de regras de D&D em 2024, bem a tempo para o 50º aniversário do jogo. Os detalhes são esparsos ainda, é claro, e os palestrantes estavam sendo bastante misteriosos - mas, em poucas palavras, os palestrantes disseram que o trabalho nos novos livros começou no início deste ano. Se você se lembra das pesquisas sobre as classes e raças principais no início deste ano, todas estavam vinculadas aos próximos livros.

Usando palavras como “Nova Evolução” e “Nova Versão”, mas claramente não “nova edição”, os painelistas disseram que os livros principais seriam “compatíveis com versões anteriores” dos livros existentes da 5ª Edição. E se isso traz à mente a transição da 3ª para a 3.5, você está certo. Vimos melhorias constantes no jogo nos últimos anos. Livros como o Tasha’s Caldron of Everything e o Xanathar’s Guide to Everything moveram constantemente a barra para o nível de poder das classes e subclasses do jogo.

É fácil imaginar uma nova versão das regras básicas que usa novas versões de classes e raças principais - onde tudo é rebalanceado na mesma linha - mas ainda permite todo o conteúdo antigo de aventura. Afinal, se você folhear livros como Rime of the Frostmaiden ou Wild Beyond the Witchlight, você ainda pode ler esses mesmos livros, mesmo se a maneira como você interpretou um guerreiro fosse diferente hoje.

Em 2024, a 5ª edição já terá sido lançada por uma década - o tempo que dura as edições anteriores do jogo. A 1ª Edição AD&D foi lançada em 78, a 2ª Edição saiu em 89, a 3ª Edição foi de 2000-2008, e a 4ª Edição de então até 2014 com o lançamento do 5E.



Pathfinder Segunda Edição - Conto: Rodas em chamas

  
Pathfinder Segunda Edição
Conto: Rodas em chamas

 
A poeira baixou, deixando duas figuras para trás na carnificina. Um, uma massa iminente de músculos e dentes enormes. O outro um gnomo, pequeno, mas - contra todas as probabilidades - ainda acordado.

Torrick Wilderbark agarrou a alavanca de sua cadeira de rodas com os nós dos dedos brancos, mandíbula rígida. Sua respiração veio difícil, a língua endurecida com uma camada de areia e fuligem. O armazém estava destruído ao redor deles. Tábuas e vigas quebradas estalaram ainda mais com o peso das rodas. Atrás dele, a máquina a vapor que movia sua cadeira retumbou, vibrando contra o assento em um ritmo constante.

O troll foi empurrado para trás, saindo de debaixo de uma pilha de pedras e telhas quebradas. Ele resmungou um grunhido enquanto cambaleava de pé, vacilante no início, mas se centrando a cada segundo que passava. Sangue escuro escorria de seu focinho atrofiado. Torrick se atrapalhou com a espada amarrada atrás da roda direita.

Sua mão fechou em torno do ar.

Uma onda gelada de pavor caiu sobre ele. Sua espada. Pateticamente tentando conter o pânico crescente em sua garganta, Torrick se virou no assento, girando o máximo que pôde quando os cintos de segurança cravaram em suas coxas. Não apenas a espada, mas a bainha também havia sumido. O cinto que prendia seu equipamento deve ter rompido durante o colapso e, sacudido pelo cair das pedras e madeira quebradas, ele não percebeu.